4ª MARTERCLASS FN10 – Gestão de Pessoas com Diferencial Competitivo no Agronegócio

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

No dia 20/10/2020 foi ministrada a 4ª Masterclass do Programa FN10. A mentora do Programa Jacqueline Lubaski, discorreu sobre o tema “Gestão De Pessoas com Diferencial Competitivo no Agronegócio”.

A gestão de pessoas vem  avaliar o clima organizacional e também criar alternativas para que as pessoas permaneçam na atividade com bons resultados. Além disso, busca proporcionar maior competitividade à organização, ajudar no alcance dos objetivos organizacionais, ou seja, como base para que a organização possa atuar conforme sua missão e realizar a visão de futuro, disponibilizar pessoas preparadas para um funcionamento organizacionais adequado, possibilitar que estejam satisfeitas com o trabalho e construir equipes e organizações de excelência.

Sendo assim, a maior dificuldade encontrada é a relutância de gestores e proprietários em enxergar e ouvir problemas. Devendo sempre, o gestor,  buscar as necessidades e preocupações dos colaboradores, além de avaliar o que pode ser modificado para que a equipe permaneça sempre motivada dentro da empresa.

Para avaliar a gestão de pessoas na fazenda é necessário observar como está a rotatividade dos funcionários, se os colaboradores estão satisfeitos e engajados, se o resultado da atividade é positivo, se os salários são competitivos no mercado, se a  mão de obra é qualificada, se existe infraestrutura adequada para receber e dar condições aos meus colaboradores e por último se as funções estão bem divididas e claras.

A gestão de pessoas deve ser pautada em:

  1. Agregar – Observar quem deve trabalhar na empresa para o recrutamento e seleção. Criar o perfil de quem eu quero que seja contratado na propriedade, contratar o perfil certo para determinada vaga;
  2. Aplicar – Deixar bem claro qual é organograma da fazenda, fazer a descrição de cargos;
  3. Recompensar – Remuneração, benefícios e incentivos, pensar no desenvolvimento profissional do colaborador dentro da atividade ruaral;
  4. Desenvolver – Treinamento, comunicação, para gerar mudança e crescimento;
  5. Manter – Planejar como manter o colaborador, observar gestão da cultura, plano de carreira, comunicação, saúde, segurança, lazer e benefícios;
  6. Monitorar – Criar um programa de  gestão participativa e gestão à vista.

O clima organizacional serve como um termômetro para medir a satisfação dos colaboradores de uma empresa, pode oscilar constantemente e é diretamente ligado à satisfação, lealdade e compromisso Já a cultura organizacional é o conjunto de normas, valores e comportamentos que regem uma corporação, sendo a personalidade da empresa, não é alterada com frequência, diretamente ligada à motivação e engajamento.

Para avaliar a cultura organizacional deve-se aferir o que a empresa utiliza hoje, identificar a existência de algum modelo de gestão ou modelo operacional (modo pelo qual a empresa desenvolve ou opera suas atividades), se houver, esses hábitos, diretrizes e processos devem ser integrados à cultura organizacional.

O segundo passo é definir ou rever os pilares da constituição da propriedade, os norteadores estratégicos: Missão (a razão pela qual a propriedade existe, seu papel no mercado), visão (onde a propriedade se enxerga no futuro, qual seu destino) e valores (são os valores que guiam a propriedade e servem como mantra). Devem compor a cultura organizacional e servir como um guia para os próximos passos. Estes norteadores precisam estar integrados, seguindo o propósito da atividade rural a fim de envolver e engajar os colaboradores que nela trabalham.