Tem que medir para evoluir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Paulo Vitor de Moraes, da Agropecuária Santa Alice: “Tenho a fazenda na palma da mão”

Conhecer as métricas dentro da propriedade é a melhor maneira para identificar seu verdadeiro potencial e seus reais desafios. Esse é um dos passos mais importantes do Programa Fazenda Nota 10

Muito da evolução da cadeia produtiva de carne bovina no Brasil se deu pela profissionalização da gestão nas fazendas nos últimos anos. Pecuaristas passaram a administrar suas propriedades como empresas e a tocar a atividade como um verdadeiro negócio. Afinal, é isso o que de fato são.

Parece óbvio, mas na prática esse entendimento pode não ser tão simples. Não por acaso, dois dos passos fundamentais para essa mudança são a descoberta e a correta utilização de importantes métricas que, direta ou indiretamente, estão relacionadas com os resultados de produtividade e o retorno financeiro, a tão buscada lucratividade.

É aí que entra o poder das parcerias na pecuária nacional. A exemplo do Programa Fazenda Nota 10, iniciativa criada em parceria pelo Inttegra (Instituto de Métricas Agropecuárias) e pela Friboi, que tem ajudado centenas de pecuaristas a organizarem a administração de suas fazendas e a extraírem o melhor de seus rebanhos.

O programa oferece aos participantes referências produtivas e financeiras relevantes à gestão e às equipes. Por meio de educação e tecnologia, mostra o que realmente impacta dentro do negócio e direciona os caminhos para uma pecuária mais eficiente. 

A aplicação do Fazenda Nota 10, na prática, também é uma parceria das equipes do programa com os pecuaristas, pois os resultados são consequência de um comprometimento mútuo com o aprendizado. “O produtor está aprendendo progressivamente a ter controle, a medir e a comparar resultados de forma bastante objetiva e correta”, afirma Fábio Dias, diretor de Relacionamento com Pecuaristas da Friboi.

Paulo Vitor Pereira de Moraes que o diga. É ele quem comanda a gestão da Agropecuária Santa Alice, no município de Iguatemi (MS), que trabalha com ciclo completo – cria, recria e engorda. “Eu toco as fazendas com meu pai, administro toda a parte de pecuária”, diz ele.

TUDO SOB CONTROLE

A entrada no programa foi uma importante virada no negócio, sobretudo pelo impacto no controle financeiro.

“O que mais me interessou foi essa parte das métricas e o fato de ter mais controle das finanças, de entradas e saídas. A plataforma do programa é muito boa para isso, praticamente virou nossa contabilidade”, afirma Paulo Vitor.

Outra grande vantagem para o pecuarista é a agilidade para acessar esses dados sempre que precisar.

“Se eu quiser checar algo que aconteceu em outubro de 2020, não preciso buscar em arquivos, em papéis, vou na plataforma, busca por mês ou por dia e está tudo lançado lá. Consigo ter a fazenda na palma da mão.”

A definição do pecuarista tem sentido quase literal, porque a plataforma fica disponível on-line e pode ser acessada pelo aparelho celular. Essa é outra importante característica do programa, oferecer praticidade na gestão, facilitar o dia a dia. Tanto que Seu Luiz Antônio Pereira de Morais, o pai de Paulo Vitor, que tem 66 anos, também está satisfeito com as novidades.

“Ele está vendo que está dando resultado, como as coisas estão ficando bem-organizadas. Muitas despesas passavam em branco e agora não passa nada. Temos mais controle de tudo o que compramos e o que vendemos”, comenta o produtor.

Rebanho da Santa Alice: ganho de peso maior desde o início do ciclo

POTENCIAL MÁXIMO

Essa é uma das metas do programa, criar melhores condições para que se possa lidar com as métricas da gestão.

“O acompanhamento de resultados pela plataforma mostra o que está acontecendo e o que deveria acontecer, ajudando o pecuarista a tomar as melhores decisões e levando a fazenda ao potencial máximo que ela oferece”, comenta Antonio Chaker, consultor sênior e coordenador do Inttegra.

Essa dinâmica tem reflexo direto nas etapas produtivas da Agropecuária Santa Alice, pois Paulo Vitor já conseguiu intensificar o ganho de peso desde o início do ciclo, assim consegue ganhar tempo e economizar meses de custo de produção.

“Abato os animais bem jovens, o que me dá maior rentabilidade e sobra pasto para aumentar minha recria e para as vacas”, diz o produtor. “É uma cadeia, se melhora em uma das pontas ou no meio, vai abranger tudo.”

Clique aqui para saber mais sobre o Programa Fazenda Nota 10.