6ª MASTERCLASS FN10 – Como dar um Feedback e Delegar Tarefas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

No dia 15/12/2020 foi ministrada a 6ª Masterclass do Programa FN10 finalizando o Módulo 2 (Gestão de pessoas). A mentora do Programa Jacqueline Lubaski, discorreu sobre o tema: “Feedback – A Ferramenta a favor do crescimento”

Jacqueline discorreu sobre a importância do feedback, que é uma ferramenta que muito auxilia a manutenção da performance dos colaboradores, aumentando a produtividade geral da empresa, alinhando as expectativas e resultados, além de identificar o que está acontecendo na propriedade. Porém, mais de 50% dos gestores não sabem passar um bom feedback, nas fazendas o número é mais alarmante, chegando a 78%.

O objetivo principal de um feedback é auxiliar as pessoas a melhorarem sua performance no trabalho, por meio de fornecimento de dados, críticas construtivas e orientações dirigidas. Estes dados devem ser assertivos, com amor e verdade, com real desejo de desenvolver a outra pessoa e a si mesmo, necessitando de comunicação leve, sem julgamentos.

Esta ferramenta quando aplicado em uma empresa, dá voz aos funcionários, amplia a visão que eles têm da empresa e de si mesmos. O gestor deve ser receptivo a receber opiniões, fortalecendo os vínculos entre líderes e liderados e também entre colegas de trabalho. O feedback deve ser realizado sempre que necessário, dependendo do modelo que for estabelecido pelos gestores, podendo ser trimestral, mensal e até diário. Não precisa ser formal, pode ser em qualquer momento oportuno do dia a dia da fazenda.

Existem algumas formas desta devolutiva, entre elas, podendo ser de forma coletiva (durante reunião de equipe, mostrando a ação do grupo de colaboradores), ou ainda com o Plano de Desenvolvimento Pessoal (PDI ou 360º, o próprio funcionário, o gestor e os outros colaboradores o avaliam, criando uma avaliação completa e assertiva).

O feedback positivo deve ser embasado em dados reais, mostrando as melhorias que as atitudes daquele colaborador trouxeram para dentro da fazenda. Este tipo de retorno deve ser feito imediatamente após alguma ação, melhoria ou comportamento interessante que deve ser destacado. O construtivo é apontando algo a ser aprimorado, trazendo uma solução para resolução de um determinado problema. Nesse caso, a abordagem é um fator crucial para que ele seja bem-sucedido

Por último, a palestrante abordou sobre o feedback sanduíche, que acontece em três camadas – ou etapas: A primeira é o quebra-gelo, na qual o gestor ou líder faz um elogio ou destaca características positivas do colaborador para que ele esteja mais aberto para ouvir o restante do feedback. A camada do meio consiste no apontamento dos pontos a serem melhorados. Normalmente ela é feita em forma de pergunta, como: “Será que se você mudasse tal rotina, o resultado não poderia ser melhor?”. Já a última etapa é aquela que vai concluir o feedback, então, tem foco no futuro. Aqui, o importante é encorajar e motivar o colaborador.

Porém, necessita-se adotar alguns cuidados, como treinar e organizar muito bem o que será falado, para não ser mal interpretado. Além disso, é necessário aproveitar o momento do feedback, para também receber avaliações e valorizar a opinião do outro. Assim que detectar algum problema, aplique um feedback no momento mais propicio, evitando que a situação se agrave. Evite trazer só pontos negativos e ser muito áspero, mostrando rigidez. Quando for necessário, o feedback individual deve ser adotado, impedindo assim, constrangimentos ou interpretações equivocadas.

Acompanhar o feedback e suas atividades são as melhores formas de alcançar a motivação e estímulo dos profissionais.