12ª MASTERCLASS – Mantenha-Se em Alto Nível Gente&Gestão

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Dia 15 de Junho ocorreu a décima segunda Masterclass, sendo esta, a última da safra 2020/2021. Nesta masterclass Antonio Chaker e Jacqueline Lubaski discorreram sobre o que fazer para se manter em alto nível de gente e gestão. Para tal, é necessário ter senso de urgência, fazer o que deve ser feito na hora que deve ser feito, além de se ter complacência 0, não se deve conformar com o que está ruim, sempre buscando inovações e melhorias.

Para entender melhor a complacência, é necessário identificar suas fontes, podendo ser desde excesso de recursos (tudo o que sobra desperdiça), baixo padrão de desempenho da equipe, falta de Feedback, cultura de pouca confrontação e sinceridade, além de um otimismo exagerado.

Todas as pessoas possuem essas características em maior ou menor grau, assim se faz necessário observar onde se pode melhorar para diminuir a complacência. As pessoas que executam possuem certos padrões de comportamento e podem fazer o que é pedido por uma série de motivos, tanto positivos como negativos. O engajamento forçado é marcado por servidão, escravidão, intimidação, opressão, medo, terror, preconceitos e fanatismo. Já o engajamento inspirado ele é caracterizado por fidelidade, afetividade, pertencimento, superação, desafio, recompensa, pressão positiva, propósito, missão, ética e conhecimento.

Existem 5 atitudes para ter senso de urgência e complacência 0:

  1. Foco no estado de ânimo: todas as pessoas se relacionam de duas formas, com as emoções básicas ou com estado de ânimo. A primeira é como as pessoas se relacionam com as circunstâncias, geralmente são as justificativas para as coisas não serem feitas (ex: não lançar dados na plataforma do FN10). A segunda forma é chamada de estado de ânimo, é onde as possibilidades são visualizadas (ex: Não lanço os dados na plataforma pois não tenho pessoa para isso, mas se eu encontrar alguém para lançar e eu me comparar com os melhores?), deve-se observar aonde está o foco.
  2. Ter números nas mãos: É necessário ter os números nas mãos para planejar as ações. Assim, é preciso criar as rotinas de verificações semanais, mensais, trimestrais e anuais. Além disso, ao monitorar o andamento das metas dentro da fazenda, deve-se observar os elementos de controle (índices periódicos como indicadores zootécnicos e financeiros) e de verificação (elementos que na maior parte das vezes, não podem ser traduzidos em números, como escore corporal e de fezes).
  3. Feedback: É necessário sempre ter o feedback para corrigir ou reforçar um comportamento, ajudar a pessoa a melhorar, tendo sempre o foco na solução, no compromisso de mudança, engajamento e motivação.
  4. Calibração: avaliar a performance dos colaboradores de uma organização, levando em consideração dois critérios: o comportamento esperado e o cumprimento de metas e a partir desta avaliação criar estratégias para potencializar a gestão de pessoas dentro da propriedade ou solucionar algum problema apontado.
  5. A pressão positiva e ponto de pânico: é sempre necessário exercer pressão de forma positiva, evitar chegar em um ponto que a pressão se torna opressão, prejudicando a produtividade. Criar ferramentas para que seja mantido o alto nível.

Para finalizar, Lubaski e Chaker pontuaram: “Sair da zona de conforto sempre incomoda, mas precisamos de mudanças de atitude para conseguir modificar os resultados” e “Não podemos prever o futuro, mas podemos mudá-lo tendo bem claro quais são os objetivos da operação para podermos criar iniciativas e conquistá-los.”