5ª MASTERCLASS – Fatores que Interferem na Eficiência Reprodutiva em Gado de Corte

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Dia 16 de novembro ocorreu a quinta Masterclass da safra 2021/2022. Professor José Carlos discorreu sobre os fatores que interferem na eficiência reprodutiva em gado de corte e que impactam diretamente no resultado da propriedade. Quanto mais se busca qualidade dentro da pecuária, maior é a importância da cria dentro do sistema.

No atual momento, com o aumento dos custos de produção, é necessário investir e otimizar o sistema, trazendo métodos que se adaptam as particularidades da fazenda. Ao contrário do que se é pensado, os pacotes tecnológicos de genética e reprodução não são caros e ajudam a potencializar o lucro na propriedade. A cria está associada ao desfrute, onde quanto mais pesado o bezerro é desmamado e quanto melhor é a eficiência reprodutiva, maiores são os lucros.

A grande função do pecuarista é produzir carne de qualidade, para isso, é preciso integrar todos os pacotes tecnológicos como reprodução, genética, nutrição, saúde, bem estar e gestão. Por exemplo, só é possível expressar características genéticas quando há uma boa nutrição, sendo, que o que define o melhor momento para início de uma estação de monta (EM) é a oferta de alimentos em quantidade e qualidade.

Além disso, é muito importante ter cuidado com a fêmea, pois ela é a base de todo o processo. Quanto mais precoce a fêmea emprenha, mais cedo os bezerros nascem, são desmamados mais pesados, permitindo uma carcaça de melhor qualidade, diminuindo assim a idade ao abate dos animais. Em contraste, quando se atrasa ou se alonga a EM, os animais nascem tardiamente, em uma época de difícil manejo nutricional, obtendo um menor ganho de carcaça por dia e sendo abatidos tardiamente, prejudicando o resultado financeiro como um todo. 

Para isto, a ferramenta que tem maior impacto na cria é a Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF). O sucesso da IATF depende de diversos fatores, como vaca (escore de condição corporal – ECC, genética, temperamento), sêmen (qualidade, genética, manejo na Inseminação Artificial – IA) e inseminador (calma, depositar no local adequado, temperatura adequada). Ainda, para auxiliar no manejo reprodutivo, protocolos podem ser utilizados para aumentar a fertilidade.

A seleção genética do animal também impacta diretamente em sua qualidade reprodutiva. A seleção por habilidade materna e precocidade, por exemplo, trazem desafios pois possuem maior exigência nutricional. Esses animais possuem maior susceptibilidade a perda de peso. Além disso, o temperamento da vaca reflete diretamente na fertilidade da mesma, quanto mais estressada, menos ela emprenha, produz menos kg de bezerro desmamado por vaca exposta.

Por fim, o momento de desmame do bezerro é considerado um manejo reprodutivo, onde, quanto mais tarde ele é desmamado, mais afeta o ECC da matriz, podendo dificultar sua fertilidade na próxima EM. Quanto mais cedo é desmamado o bezerro, respeitando também sua fisiologia, em melhor condição corporal esta fêmea entra no manejo reprodutivo e consequentemente produzirá mais nas próximas safras.

Zequinha finalizou com a frase “Bezerro bom sempre vale mais que bezerro ruim” e “O ano que mais se precisa de tecnologias é o ano mais difícil e não o mais fácil.”