4ª MASTERCLASS – Há Ganhos Com a Adoção das Boas Práticas de Bem-Estar Animal nas Fazendas?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Dia 19 de outubro ocorreu a quarta Masterclass da safra 2021/2022. Mateus Paranhos discorreu sobre o tema “Há Ganhos Com a Adoção das Boas Práticas de Bem-Estar Animal nas Fazendas?”, que possui suma importância dentro da atividade de bovinocultura de corte. A adoção do bem-estar na propriedade pode ser simples, pequenas mudanças de comportamento da equipe ou padrões de limpeza por exemplo podem impactar positivamente o resultado final.

Segundo Paranhos, o bem-estar animal é uma preocupação ética dentro da atividade e possui implicações cientificas, econômicas, culturais e políticas. Existe uma grande interconexão entre o bem-estar e o tripé da sustentabilidade, que respeita o ambiente natural, a vitalidade econômica e mantém as comunidades saudáveis. O sistema de produção escolhido não influencia a sustentabilidade de um sistema, e sim como ele é conduzido dentro dos próprios limites.

Quando são identificados problemas com o bem-estar animal, é possível observar aumento na mortalidade geral, perdas de produtividade e qualidade, aumento de riscos de acidentes, redução de eficiência de trabalho, podendo comprometer saúde humana e animal, degradação de recursos naturais, afetando não só a fazenda em si, mas como toda comunidade em volta e a imagem da cadeia produtiva de carne bovina.

Visando solucionar este problema, uma das maneiras de avaliar o bem-estar animal é utilizando o modelo dos 5 domínios, que são considerados de maneira integrativa, contemplando os estados internos ou físico-funcionais dos animais em diferentes situações e sob diferentes estímulos.

O domínio 1 se refere a nutrição que este animal recebe. Além da quantidade de alimento e água que são fornecidos, é necessário se ater ao tipo, forma, qualidade e frequência. Deve-se observar também a proteção de nascentes e recuperação de áreas de preservação permanentes, verificar se a água está vindo de fontes seguras e se ter uma organização de limpeza periódicos dos reservatórios. O segundo domínio compreende o ambiente e envolve as instalações e o conforto, segurança e higiene proporcionados ao animal. Quando são assegurados, um bom ambiente leva a uma melhor saúde, prevenindo acidentes e diminuindo o estresse tanto do animal quanto dos colaboradores.

Em sequência, o domínio 3 se refere a saúde. Quando o estresse é evitado, é possível notar uma melhoria na saúde física e mental do animal tornando-se menos recorrente o aparecimento de doenças e mortes dentro da propriedade. Além disso, é necessário se ater a manejos racionais principalmente no momento das vacinas. Foi comprovado cientificamente que prendendo e vacinando os animais individualmente, houve uma diminuição no estresse e injúrias, diminuição em recursos utilizados (como seringas, agulhas e vacinas), gastando-se a mesma quantidade de tempo. 

O comportamento está compreendido dentro do quarto domínio, onde, deve-se evitar a competição e estresses sociais. Este deve ser um grande cuidado, principalmente em confinamentos onde o espaço para cada indivíduo é menor. Estudos indicam que quanto maior o espaço que o animal possui dentro do confinamento, maior será o GMD final deste animal. Por último, o quinto domínio se refere a saúde mental, e pode ser identificado observando a reatividade e a apatia de cada animal. O estado mental reflete todos os outros domínios. Assim, para garantir que este esteja em perfeito equilíbrio é necessário proporcionar aos bovinos um ambiente com boas condições de qualidade de vida. O animal deve viver uma vida que vale a pena ser vivida e que na média das ações, esteja em um bom status de bem-estar animal.

Desta forma, a equipe da fazenda, transportadores e frigoríficos são responsáveis pela qualidade de vida do animal e consequentemente pelo produto. Quando os animais são tratados de forma agressiva, existem perdas quantitativas e qualitativas consideráveis da carne. O treinamento destes setores é muito importante para se evitar falhas durante o manejo, impedindo assim sofrimento para os animais, diminuindo o risco para os profissionais e consequentemente o prejuízo para o produtor.

Por final, houve a premiação das fazendas melhores pontuadas no módulo de Saúde e Bem-estar animal. Os vencedores para foram: Categoria Top Ouro Novapec Agropecuária LTDA, Proprietário Arlindo José Vilela; Categoria Top Prata: Fazenda Cigana, Proprietário Luiz Antônio de Deus da Silva e categoria Top Bronze Fazenda Gauchinha, Proprietário Rodrigo Pereira de Oliveira. Paranhos finalizou com a reflexão: “Dentro dos manejos de curral, devagar sempre é mais rápido”.